Guia básico: o que é o bitcoin

Compartilhe a criptoeconomia

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram

O bitcoin caiu na boca do povo, mas muitas pessoas ainda têm dúvida em relação ao que é e como funciona essa nova forma de dinheiro. Ele é confiável? Por que seu valor altera tanto? Leia para entender:

Tendo começado como uma crítica ao sistema financeiro atual e aos grandes bancos, o criador anônimo do Bitcoin, Satoshi Nakamoto, gerou o primeiro bloco do bitcoin (Bloco Gênese) em 3 de janeiro de 2009, dando início ao seu funcionamento.

Em meio aos códigos, fez uma referência a matéria do The Times em que dizia que o chanceler britânico estava imprimindo mais dinheiro para “salvar” os bancos comerciais pela segunda vez – causando mais inflação e a desvalorização do dinheiro.

Satoshi Nakamoto criou um sistema financeiro alternativo, internacional e livre de intermediários como governo ou instituições, onde cada indivíduo pudesse ter o controle do próprio dinheiro e fazer transferências peer-to-peer (pessoa para pessoa).

Mas como o bitcoin funciona na prática?

O bitcoin serve como uma moeda, só que digital. E se você acha o conceito de dinheiro digital confuso, é só pensar no seu cartão de crédito ou saldo bancário no seu aplicativo.

O que você vê são dígitos na tela, que seu banco diz estar lá. A diferença é que com o bitcoin você não precisa confiar no seu banco, por quê:

  • Você é seu próprio banco;
  • O bitcoin utiliza de 2 tecnologias para garantir sua segurança e veracidade: a blockchain e a criptografia (por isso o nome criptomoeda). Esse sistema de programação é extremamente seguro e, em seus 13 anos de criação, nunca apresentou falhas.

A tecnologia blockchain:

A blockchain é vista como a maior revolução tecnológica desde a internet e também é considerada o sistema de programação mais seguro da atualidade.

Basicamente, a blockchain é uma espécie de livro-razão público e transparente.

Funciona como uma corrente de blocos criptografados, onde cada bloco registra as informações de todas as transações, e o bloco seguinte registra as novas informações e também as dos blocos anteriores.

Rede descentralizada e resistente a censura:

Outra característica que faz o bitcoin ser seguro é o fato de ser descentralizado. Ninguém controla ele, ninguém é dono dele.

Isso porque as transações na blockchain não acontecem de um único lugar: são diversos computadores de alta performance espalhados por diversos países, que são responsáveis por validar cada transação através da resolução de cálculos matemáticos. Esse processo é chamado de mineração.

“Agora, o bitcoin é mais valioso do que o Facebook. Na próxima década, serviços descentralizados e baseados em blockchain irão fornecer alternativas moral, técnica e financeiramente superiores a empresas de tecnologia americanas e chinesas parecidas.” Balajis Srinivasan, ex-diretor de tecnologia da Coinbase.

Mas se ninguém é dono do bitcoin, quem controla o seu preço?

O próprio mercado. São os próprios usuários do bitcoin que movimentam o seu preço, fazendo ele subir ou descer. Isso por causa da “lei da oferta e demanda”.

Essa lei diz que através dos movimentos dos compradores o mercado tende a se equilibrar até encontrar um preço justo – e isso vale tanto para produtos financeiros, como produtos em mercados, roupa, farmácia, etc.

De forma resumida, quanto mais pessoas comprando, mais seu preço sobe. Quanto mais pessoas vendendo, mais seu preço cai.

Não é à toa que o bitcoin tem se tornado tão popular e valorizado tanto. Ele não é somente um dinheiro digital sem fronteiras. Ele é anticorrupção, antifrágil e a prova de falsificações.

E como fazer para ter bitcoin?

Ele pode ser adquirido através de uma rede peer-to-peer (pessoa para pessoa), ou em exchanges e plataformas de compra e venda.

Você não precisa comprar 1 bitcoin inteiro. Já que hoje ele vale em torno de US$44 mil dólares, isso seria pouco acessível.

Por isso você pode comprar frações de bitcoin, que são chamadas de “satoshis” (em homenagem ao seu criador).

No app da Bancryp você compra bitcoin a partir de R$50 reais.

Você escolhe quando e como fazer seus aportes. Tenha o controle do seu dinheiro em único aplicativo, com reais e bitcoin na mesma conta.

Compartilhe a criptoeconomia

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram